top of page

O poder de um vestido

Engana-se quem pensa que um vestido é só um vestido. Não é. Uma das peças mais versáteis do guarda-roupa feminino é símbolo de feminilidade, de liberdade, de luxo, de transformações e pode refletir a estética e muito da cultura de uma época. E um modelo é capaz de imortalizar uma mulher para o bem ou para o mal. Vestido de noiva, então, é um capítulo a parte! Talvez, seja um dos modelos mais incríveis de todos, pelo contexto em que está inserido.

No cinema, Marylin Monroe protagonizou a cena clássica com o inesquecível vestido branco que se levantava por causa da ventilação do metrô em “O pecado mora ao lado” (The Seven Year Itch, 1955); e em 1961, Audrey Hepburn fez história com o elegante vestido preto Givenchy em “Bonequinha de Luxo” (Breakfast at Tiffany’s), eternizando os vestidos em momentos que inspiram e influenciam diversas marcas até hoje.


Ainda na década de 1960, Twiggy, considerada a primeira top model, popularizou o vestido mini – apesar da criação da minissaia ser atribuída à também inglesa Mary Quant, – numa época em que os jovens queriam liberdade e uma “moda” com a cara deles e não com a cara dos pais. E, em 1965, Yves Saint Laurent revolucionou o mundo da moda com o modelo tubinho estampado inspirado na obra de Piet Mondrian, que virou peça de museu.

Depois de muitos anos, os vestidos continuam objetos de desejo e discussão no mundo da moda. Nas noites de premiações internacionais como o Oscar, todos querem saber quem é o designer do modelo que as atrizes estão usando. E, mesmo que a atriz não ganhe o prêmio, ela fica conhecida com uma das mais bem vestidas ou mal vestidas da noite. Chega ser irônico, não é mesmo?


Recentemente, Beyoncé, Kim Kardashian West e Jennifer Lopez apareceram quase nuas e causaram alvoroço no tapete vermelho do tradicional Baile do Met, em Nova York, com seus vestidos ultra transparentes (acho que elas combinaram. Rsrs). Alguns nem chamam aqueles modelos de “roupa”, outros amam. Dias depois Bey apareceu super normal de calça jeans e camiseta. Parecia outra mulher. Rs


Kate Middleton é uma das mulheres mais bem vestidas do mundo e não precisa de muito $ (apesar de ter! rsrs) para ficar elegante . A Duquesa de Cambridge já fez várias aparições com vestidos super baratinhos, provando que não é dinheiro que faz a diferença.


Aqui no Brasil, em fevereiro deste ano, a cantora Anitta causou polêmica quando apareceu com um “simples” vestido que seria da coleção Versace para Riachuelo, no casamento de Fernanda Souza e Thiaguinho, em São Paulo*. O tal “pretinho básico” foi alvo de uma enxurrada de ataques. A única coisa que eu posso dizer é que o vestido ficou ótimo nela. Outras atrizes e personalidades também já viraram notícia - boa e ruim - por causa dos modelitos que “desfilaram”, como Grazi Massafera, Claudia Leitte, Valesca Popozuda e Bruna Marquezine.


A roupa fala

Um vestido, por mais simples que seja, carrega uma simbologia e expressa um linguagem não verbal, como por exemplo, um modelo muito justo e curto pode transmitir a mensagem de vulgaridade e sensualidade, mesmo que a mulher que o usa não tenha essa intenção.

meghan miles
Meghan Miles, personagem interpretada por Elizabeth Banks em “A Minha Casa Caiu” (Walk of Shame, 2014) – título horrível em português, diga-se de passagem – passou por diversos apuros vagando sozinha em Los Angeles com um bandage dress amarelo sem documentos, dinheiro e carro para chegar a uma entrevista.

Por outro lado, vestido longo pode transmitir elegância, sofisticação, mas dependendo do longo, pode ser exatamente o contrário. Outros fatores também são levados em conta e são muito importantes como os materiais utilizados e, principalmente, a postura de quem o usa. Por isso que alguns modelos não são adequados para determinados ambientes, como escritórios e igrejas, por exemplo.

Por fim, a dica é usar aquilo que tem a ver com o estilo pessoal, porém levando em consideração essas regras de etiqueta e o bom senso na escolha de qualquer peça, principalmente um vestido, pois pode contribuir para o sucesso ou a ruína de uma mulher.






Matéria publicada no jornal O Diário da Costa do Sol em 22/05/2015, porém aqui está editada e atualizada./*No jornal foi publicado no Rio de Janeiro, mas o casamento ocorreu em São paulo.
 

Posts Relacionados

Ver tudo

Comentarios

Obtuvo 0 de 5 estrellas.
Aún no hay calificaciones

Agrega una calificación
bottom of page